Twitter

31 de dez de 2008

ANO NOVO COM HUMILDADE


Este ano foi um ano cheio de coisas boas
Mas também foi cheio de problemas, perdas e
desilusões.
Tudo bem.
Esta nascendo mais um novo ano.
Que você consiga atingir seus ideais.
Mas lembre-se sempre de colocar seus
Propósitos nas mãos do criador.
Não vagues sem rumo
Pois Deus tem uma direção pra você!
O homem é cheio de imperfeição
Deus é perfeito.
Não adianta as lagrimas de dor, tristeza e solidão.
Faz parte de nossa historia.
Olhemos a vida de outra forma
Com mais amor, sendo mais humilde, assim amar mais a nosso irmão.
Este ano você não realizou seus sonhos?
Não estava na hora...
Espera um pouco mais!
Faça novos amigos,
Mais acima de tudo conserve os antigos.
Que a virada do ano
Não seja apenas uma data a ser comemorada.
Mais um momento para meditarmos
Em quem fomos, no ano que se finda.
Que o sol da justiça brilhe em sua vida.
Que tenhas sempre as mãos estendidas
Para o bem.
E assim Deus estenda as deles sempre que você precisar.
Que o nascer de mais um ano em sua vida,
Seja como uma criança nas mãos de Deus.
Para que tua jornada seja de vitórias.
Feliz ano novo!

Sandra Paula
30/12/2008

30 de dez de 2008

Refletir

paisagem


O pedaço de um caminho andado
Pode valer mais que o caminho inteiro
Se você não satisfizer com a metade
Pode tentar andar mais
Pra que ter tudo se a metade já vale
O seu esforço pode não compensar
Então pare e pense antes de agir
De maneira egoísta
Seja mais razoável que pode ser mais forte
Ter pouco e satisfazer do que ter tudo
E não merecer ou não se contentar
Passa o tempo tentando alcançar
Algo que não vale à pena
Do que ganhar com que já alcançou
Deve se contiver com o que é real
Do que se arrepender com as ilusões
O mais fácil não dura
O difícil é suado e é mais amado
Conquistar coisas difíceis
Do que ter coisas fáceis
Nunca deixa o que já conquistou
Sempre preserve o que é bom
Para que o amanhã seja melhor
Do que o dia de hoje
E sempre reflita coisas boas
Para que se sinta bem
Porque a vitória é a felicidade do ego
Então seja uma pessoa vitoriosa.

28 de dez de 2008

Tudo aos poucos


Mais um pouco de mim fica, fica feliz
Mais um pouco de minha razão se enche
Enche de sentindo, mais um pouco estou completo
Completo de felicidade
Mais um pouco eu me levanto
Levanto-me do que eu não acreditava que ia levantar
Mais um pouco do meu coração palpita
Palpita de emoção
Mais um pouco do que eu já tinha desistido
Eu conquistei sem perceber
Mais um pouco do que ficou para traz
Estou relembrando que fui feliz e estou voltando a ser
Mais um pouco da minha liberdade foi conquistada
Vivia preso em algo que não me fazia bem
Mas tudo isso esta chegando aos poucos
Como manda a vida
Como uma coisa leve que flutua pelo ar
Como se fosse algo pequeno se tornando grandioso
Como eu ando em um rumo certo
Traçado em linhas retas
E juntando todos esses poucos
Se torna grandiosa a minha razão de viver.


Por Márcio Poeta

26 de dez de 2008

Quem Sabe Derrepente


Amar é querer o que nos pode ser oferecido
Mesmo que sufoquemos no peito a magia do amor
Mesmo que sorria ,quando o que sentimos é dor
A dor da ausência
A dor de não poder abraçar,
Só querer ,desejar sonhar
Sonhar com um beijo louco
Um abraço ardente
Quem sabe derrepente...
Sonho vire realidade
Então te terei nos braços de verdade
E te amarei como ama os loucos
Sem medo
Sem limite
Sem fronteiras
Sem amanhã
Viveria só o hoje
Sem dia
Sem noite
Doce arrepio na nuca
Realização de desejos ardentes
Seria tua
Em uma noite apenas
Seria tua pequena
Assim mim farias mulher

Sandra Paula 25/12/2008

23 de dez de 2008

Muito amor

amor

Eu amo você é muito amor é tanto, amor
Que já não sei mais
É paixão que me pegou e desse amor que vivo
Respiro ofegante porque é amor
No meu coração
E desejando eu fico, sem cessar meus pensamentos
Em você amor
Passando momentos de solidão
Querendo você perto de mim
E o escuro da noite clareia, pois já amanheceu
O dia sem você
E tudo que queria
É muito amor de você pra mim
Como sinto essa paixão em minha pele
Meu corpo te deseja
Meus olhos te enxergam
Para onde que eu olho é só você
Que existe em minha frente
Essa coisa louca eu sinto
Por você meu amor.

Por Márcio Poeta

21 de dez de 2008

Dor de barriga

Esse é para descontrair um pouco e fica a pergunta será que ele passou da prova? Coitado... ;xD

19 de dez de 2008

Maria Bethânia - Cheiro de amor

Maria Bethania

Às vezes eu me pego em uma euforia, em um fixo pensamento, penso na minha paixão e penso em coisas que poderia ter acontecido ou que pode acontecer, penso em ser feliz da maneira que vem em meus sonhos, imagino que tudo poderia ser diferente e que a distancia não me castigasse tanto assim, então fico desta maneira que diz essa musica maravilhosa que essa cantora também maravilhosa expressa é um cheiro de mor que exala em minha alma é mais que paixão, deve ser acima disso é um bem querer incomparável, sou amado pelo menos a quem eu amo me passa essa tranqüilidade de saber que há amor compartilhado dentro dos nossos corações coloco aqui meus sentimentos que tem tudo a ver com essa música.

Cheiro de Amor 
Interprete: Maria Bethânia
Composição: Duda/ Jota/ Paulo Sérgio Valle/ Ribeiro

De repente fico rindo à toa sem saber por que
E vem a vontade de sonhar de novo te encontrar
Foi tudo tão de repente, eu não consigo esquecer
E confesso tive medo, quase disse não
Mas o seu jeito de me olhar, a fala mansa meio rouca
Foi me deixando quase louca já não podia mais pensar
Eu me dei toda para você

De repente fico rindo à toa sem saber por que
E vem a vontade de sonhar de novo te encontrar
Foi tudo tão de repente, eu não consigo esquecer
E confesso tive medo, quase disse não
E meio louca de prazer lembro teu corpo no espelho
E vem o cheiro de amor, eu te sinto tão presente...
Volte logo meu amor

18 de dez de 2008

O novo!

feliz-ano-novo

Que seja tudo novo, novo na esperança
Remonte sua vida e que seja nova
Um recomeço como se fosse o primeiro
Faça valer à pena e não deixe de sonhar
Não deixe de tentar realizar seus sonhos
Tente uma vez, se não deu tente tudo de novo
Insista até conseguir alcançar que, aquilo fará você
Feliz, sempre feliz
Faça as coisas com mais convicção e não desista

Tenha a esperança de que tudo será novo
Novo como uma criança que acabara de nascer
O que você fez e não obteve sucesso
Faça de novo, mas faça melhor tente de outra forma
Reconstrua seus ideais para conseguir alcançar uma
Coisa que foi perdida ou que não foi conquistada
Será uma coisa nova, uma conquista nova
Todo esforço pode valer a pena se te agrada o que queres

O que não vale à pena é reclamar e não fazer nada pra mudar
O que não te agrada, mude deixe novo faça do seu jeito
Não deixe de buscar o que te faz feliz, sem desistir e sem cessar
Com fé naquilo que esta fazendo e com forças e perseverança
A virtude do ser é conquistar aquilo que te faz bem
E nunca reclamar daquilo que já vem tentando buscar
Cada vez melhor o que se quer

Agradeça que mais um ano você passou
E pede para que consiga viver mais esse ano que está por vir
Pensando no futuro devagar fazendo no presente e vivendo
O momento, viva tudo que se pode viver de bom hoje
Nunca deixe pra o amanhã, se tem este costume mude
Pois esta por vir o novo então conserte o que esta com defeito
Para que se reflita no futuro.

Um feliz ano novo e tudo pode mudar só depende de você
Por Márcio Poeta.

17 de dez de 2008

Não venha me dizer de amor

CHORO

Não venha me dizer de amor se você não sabe amar
Não venha me dizer de felicidade se não sabes dar
Não faças coisas que não possa dar
Só tristeza que você sabe exalar

Nada de proveito pode se tirar
De tal coisa que causa sofrimento
Não pode mudar esse seu jeito que não
Tem mais jeito, sem respeito
É o que você é

Nada de amor e muito menos paixão
Nada se transforma com você
Tudo fica na mesma e o tempo
Passa e continua assim
Sem efeito só desconsideração
Que existe em si

Poderia ser diferente, mas você insiste
Em continuar com essa falta de amor
No coração e assim é seu jeito
Que não produz nada além do desfeito
Que eu sinto por ti.

Por Márcio Poeta

Gal Costa - Mar e Sol

Gal Costa

Mar e Sol
Interprete: Gal Costa
Composição: Lokua Kanza/ Carlos Rennó

Um Sol
Eu sou
Para o seu mar, ó meu amor;
Você
O mar é
Para o meu Sol, para eu me pôr;

Me pôr
Em você,
Me espelhar, me espalhar;
Meu Sol
De arrebol
Deitar no leito de seu mar –

E entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Em você morrer, morrer.

Um só,
Um nó
De fogo e água, terra e céu,
A sós,
Somos nós,
De corpo e alma, você e eu;

E eu
A descer,
A desnascer, desvanecer;
A ser
Em você
Um Sol a se dissolver –

Ao entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Em você morrer, morrer.

Depois,
Nós dois,
Olhos nos olhos, vis-à-vis,
Nos seus
Olhos meus,
Me vejo no que vejo ali;

Ali,
Eu-você,
Olho no olho a se espelhar,
Amor,
Sem temor,
Olho o que eu olho me olhar –

Ao entrar em você,
Em você queimar, arder;
Em você tremer, em você,
Com você morrer, morrer.

Paixão de fogo de paixão
De fogo de paixão
De fogo de paixão,

Em que me afogo de paixão
Me afogo de paixão
Me afogo de paixão

Fonte da letra: Letras Terra

16 de dez de 2008

Ney Matogrosso - Poema

Ilustração

Poema
Interprete: Ney Matogrosso
Composição: Cazuza / Frejat

Eu hoje tive um pesadelo e levantei atento, a tempo
Eu acordei com medo e procurei no escuro
Alguém com seu carinho e lembrei de um tempo
Porque o passado me traz uma lembrança
Do tempo que eu era criança
E o medo era motivo de choro
Desculpa pra um abraço ou um consolo
Hoje eu acordei com medo mas não chorei
Nem reclamei abrigo
Do escuro eu via um infinito sem presente
Passado ou futuro
Senti um abraço forte, já não era medo
Era uma coisa sua que ficou em mim, que não tem fim
De repente a gente vê que perdeu
Ou está perdendo alguma coisa
Morna e ingênua
Que vai ficando no caminho
Que é escuro e frio mas também bonito
Porque é iluminado
Pela beleza do que aconteceu
Há minutos atrás

Fonte da letra: Letras de músicas Terra

O meu desatino

desatino

Sem querer eu consegui te perder e não consegui mais te encontrar
Ai veio os momentos de solidão para completar essa exatidão
É tão rigoroso em meu coração que me perco em choros
É de suar de desespero e mais forte que tudo na minha vida
É esse amor, sou fraco e não posso lutar, pois já foi o que me restava
Existia um pouco de esperança e como um vendaval
Foi levada de mim essa esperança que eu ainda tinha

Momentos de solidão e como já disse me vêem perdidos repetidos
E nada de cura, poderia você se importar com que eu sinto
Poderia ser mais fácil com seu amor em mim
Com seu corpo me pedindo mais e suas caricias me envolvendo
Fazendo com que eu compartilhasse tudo que você fizesse por mim
Devolvendo aquela coisa louca que a paixão proporciona
É coisa de pele, desejo sem fim e não conseguimos nos saciar
Essa sede incontrolável que nos pega na hora do amor
Mas nada disso você quis e simplesmente me deixou aos prantos

Ingratidão é a pior coisa que um coração apaixonado poderia ter
É ilusão saber que tudo não passou por capricho
Faz-me mal saber que você não quis o melhor de mim
Deixa-me pequeno perante esse amor grandioso que sinto
Ah! Nada me fará pensar em outra coisa, além do que a gente
Poderia passar, digo das coisas maravilhosas que poderíamos
Viver de tudo que é bom e do melhor conteúdo que a paixão poderia
Dar-nos, mas infelizmente você não quis.

Por Márcio Poeta

13 de dez de 2008

Vinicius de Moraes - A dor a mais


Foi só muito amor
Muito amor demais
Foi tanta a paixão
Que o meu coração, amor
Nem soube mais
Inventei a dor
E como ela nos doeu

Ah, que solidão buscar perdão
No corpo teu
Tanto tempo faz
Tens outro amor, eu sei
Mas nunca terás
A dor a mais
Como eu te dei
Porque a dor a mais
Só na paixão
Com que eu te amei

Por Vinicius de Moraes

12 de dez de 2008

Ilusão



Paixão que arde o meu peito, febre que me faz queimar
Amor que me aquece, olhares que me hipnotizam
Gestos que me fazem parar no tempo, pensamentos que
Fazem-me lembrar, palavras que me fizeram acreditar
Carinhos que me fez sonhar, sonhos em que eu tive
E nada disso foi o bastante para que você ficasse ao meu lado
Foi apenas mentiras que me destes e isso machucou meu coração
Quantas juras de amor ouvi saírem de sua boca
Quantos momentos em que você me fez acreditar que havia
Paixão, até seu olhar me dizia que havia
Com tal coisa assim fui enganado
Você mentiu em suas palavras e me fez creditar que era paixão
Puro capricho seu e agora estou aqui
Na solidão, no desespero querendo você
Querendo o que você vinha me prometendo, querendo o que
Você jurou que sentia por mim
Não sei o quanto vou resistir, não sei se vou sobreviver
A toda essa sua ingratidão e mentiras
E para completar ainda te amo, mas não acredito mais em uma
Só palavra que você me diz
Apenas luto contra esse sentimento que está me fazendo mal.
Por Márcio Poeta

11 de dez de 2008

Se queres


Se queres descobrir o amor em teu ser, primeiro observa
o nascimento das flores sobre as pedras, o nascimento da
borboleta em seu casulo tão limitado... Observa o sol
nascendo e iluminando o que há pouco era só escuridão...

Se queres conhecer o amor, observa o movimento gracioso
do vento sobre as flores e vê as sementes sendo lançadas
para outros solos, transformando-os, delicadamente, sem
pressa. Observa a generosidade com que a natureza te acolhe,
mostrando com seus movimentos a importância de te sentires
como ela se sente.

Se queres sentir o amor, olha para os teus irmãos com a
disposição de, sem julgamento, ve-los como eles são. Olha
para ti e aceita o que vem do coração.

Se queres compartilhar o amor, apenas estende a tua intenção
e ela chegará ao mundo e a ti retornará, trazendo-te as bênçãos
de Deus que sorri com a tua conduta.

Se queres prosseguir com o amor, procura viver de acordo com
as virtudes que se foram dados por Deus...

Se queres sentir o verdadeiro amor, entrega-te por completo
nas mãos de Jesus e verás o Milagre da vida acontecer em ti.

Por Márcio Poeta

8 de dez de 2008

Lua


Mais claro momento de reflexão
Vidas passageiras e momentos passageiros
Claro sol que a luz se dá e ilumina a alma
Reluz o que está escuro e nasce um viver
Viver em harmonia e nada de falsidade
E nem correr atrás do que não tem sentindo

Faz-se a lua iluminada pelo o sol faz com que não perca
O brilho e de noite vejamos os raios do sol refletido
Na claridade que se dá no espelho luar
É de inspirar paixão e soltar suspiros a lua provoca
Prazeres e tem um sentido romântico
Faz enxergar na escuridão, abençoada lua

E a pele solta os arrepios dos poros avisando que
O desejo esta chegando, revirando os olhos de prazer
A pele se encosta causando a química da paixão
Juntando os lábios e se concretizando o beijo
Molhado se entrelaçando a língua
Percebendo que é amor pura inspiração que a lua nos dá.

Por Márcio Poeta

7 de dez de 2008

Biografia Carlos Drummond de Andrade


Poeta, cronista, contista e tradutor brasileiro. Sua obra traduz a visão de um individualista comprometido com a realidade social.

Na poética de Carlos Drummond de Andrade, a expressão pessoal evolui numa linha em que a originalidade e a unidade do projeto se confirmam a cada passo. Ao mesmo tempo, também se assiste à construção de uma obra fiel à tradição literária que reúne a paisagem brasileira à poesia culta ibérica e européia.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade natal, em Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.

Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Excelente funcionário, passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se aposentou em 1962. Desde 1954 colaborou como cronista no Correio da Manhã e, a partir do início de 1969, no Jornal do Brasil.

Predomínio da individualidade. O modernismo não chega a ser dominante nem mesmo nos primeiros livros de Drummond, Alguma poesia (1930) e Brejo das almas (1934), em que o poema-piada e a descontração sintática pareceriam revelar o contrário. A dominante é a individualidade do autor, poeta da ordem e da consolidação, ainda que sempre, e fecundamente, contraditórias. Torturado pelo passado, assombrado com o futuro, ele se detém num presente dilacerado por este e por aquele, testemunha lúcida de si mesmo e do transcurso dos homens, de um ponto de vista melancólico e cético. Mas, enquanto ironiza os costumes e a sociedade, asperamente satírico em seu amargor e desencanto, entrega-se com empenho e requinte construtivo à comunicação estética desse modo de ser e estar.

Vem daí o rigor, que beira a obsessão. O poeta trabalha sobretudo com o tempo, em sua cintilação cotidiana e subjetiva, no que destila do corrosivo, no que desmonta, dispersa, desarruma, do berço ao túmulo -- do indivíduo ou de uma cultura.

Em Sentimento do mundo (1940), em José (1942) e sobretudo em A rosa do povo (1945), Drummond lançou-se ao encontro da história contemporânea e da experiência coletiva, participando, solidarizando-se social e politicamente, descobrindo na luta a explicitação de sua mais íntima apreensão para com a vida como um todo. A surpreendente sucessão de obras-primas, nesses livros, indica a plena maturidade do poeta, mantida sempre.

Alvo de admiração irrestrita, tanto pela obra quanto pelo seu comportamento como escritor, Carlos Drummond de Andrade morreu no Rio de Janeiro RJ, no dia 17 de agosto de 1987, poucos dias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade.

Fonte: Releituras

Resíduo
(...) Pois de tudo fica um pouco.
Fica um pouco de teu queixo
no queixo de tua filha.
De teu áspero silêncio
um pouco ficou, um pouco
nos muros zangados,
nas folhas, mudas, que sobem.

Ficou um pouco de tudo
no pires de porcelana,
dragão partido, flor branca,
ficou um pouco
de ruga na vossa testa,
retrato.

(...) E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória.

Carlos Drummond de Andrade

Viva hoje e tenha a esperança do amanhã



É cada dia que penso como poderia ser o amanhã
E chegando a uma conclusão que no amanhã não devemos pensar
E sim saber o que se passa a cada minuto do presente
É assim que o barco navega
Ao mar sem saber o que espera a frente
E nunca vamos saber do futuro mesmo que há algo programado
Nem se você esta preste a fazer alguma coisa
Não tem como saber se vai acontecer realmente
A não ser quando já se concluído sabendo do resultado
É pouco o que vivemos
Pouco, mas dependendo do que vivemos o que ficou
Não foram sobras e com certeza deve ter sido algo que valeu apena
Nada é de mais feito com sã consciência e amor
Pensamos que tudo está perdido
As fazes caímos em sofrimentos e desespero
 Chega ao um ponto de desanimo total
Mas para que desanimar do presente que Deus nos deu
A vida simplesmente viver é um presente
Cabe a nós mesmo fazer com que vale a pena essa existência
Cabe a nós amar e ser feliz lutar para que isso se concretize
Para que pensar em coisas sórdidas, se podemos construir algo melhor
Basta acreditar que pode
Basta saber que Deus nos vale tudo
Carrega-nos em fé que depositamos em seu poder
Davi fazia orações a Deus em seu cumprido momento de perseguição
E nada mais que ser perseguido pelo seu próprio filho
Em muitos pedidos em orações intensas que chegaram a ser poéticas
Ele conseguiu o que buscava
Isso é um espelho para que seguissem da maneira ou pelo menos
Tentamos seguir o exemplo dos seguidores de Deus daquela época.

Por Márcio Poeta.


1 Salmo de Davi para o músico-mor, sobre Seminite... Nos salva, SENHOR, porque faltam os homens bons; porque säo poucos os fiéis entre os filhos dos homens.
2  Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado.
3  O SENHOR cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que fala soberbamente.
4  Pois dizem: Com a nossa língua prevaleceremos; säo nossos os lábios; quem é senhor sobre nós?
5  Pela opressão dos pobres, pelo gemido dos necessitados me levantarei agora, diz o SENHOR; porei a salvo aquele para quem eles assopram.
6  As palavras do SENHOR säo palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes.
7  Tu os guardarás SENHOR; desta geração os livrarás para sempre.
8  Os ímpios andam por toda parte, quando os mais vis dos filhos dos homens säo exaltados.

5 de dez de 2008

Louca paixão


Não posso adivinha se existe paixão apenas enxergar
Que há algo no seu coração e alem de enxergar eu posso
Perceber que você me ama sendo do seu jeito que olhar
Você me dá de desejo eu vejo
O mínimo que posso fazer é corresponder essa paixão
Louco desejo eu também tenho igual ao que vejo em
Seu corpo é de arrepiar esquentar a pele esse seu jeito
De me amar
É só o que peço me fazer feliz com seus gestos
De carinho eu compartilho somente com você
Minha louca paixão, meus olhos só enxergam você
E com você eu quero viver sem cessar e nem desanimar
O suficiente eu tenho de você seu olhar para mim
Anima meu viver e feliz eu me encontro sem ilusão
Com delírio de paixão, amor e desejos
Por te amar vivo a sonhar e para mim tu és a flor
Que se plantou em meu jardim e regá-la devo fazer
Para que não murche nosso amor.

Por Márcio Poeta

4 de dez de 2008

Sentimento


Que frases eu poderia citar, que momentos eu poderia ter
Ilusões eu não me acostumo
Momentos difíceis eu passei, sentimentos fortes eu tive
Mas é para ter a vivencia de tudo ou quase tudo
Nada de chorar sempre querer sorrir é paixão
Ou será uma passagem sem sentindo
Quem sabe eu vivo melhor no futuro
Ou nem vivo
Viver com o coração apertado é complicado
Amar sem sentindo não existe então é ilusão
É como se vê na vida tudo passar como um relâmpago
Nada enxergar o presente insosso, sem nexo
Mas há solução o que não pode é desanimar
Vida ferida de momentos que só quem passa sabe
Que nem tudo é um mar de rosas, mas também
Não é tristeza e um vago vazio invade a alma
Começo a pensar que nada tem pra mim e o bom
Não existe e assim começa a viver aos empurrões que
A vida me dá
E quando tem reação começa a perceber que tudo não passou de uma fase
Uma distração uma peça que a vida nos prega
E tudo começa a fazer sentindo que deveria ter passado aquilo
Que o coração precisa de um pouco de sofrimento
Para aprender a sair sem machucar muito
Um pouco da ferida fica, aliás, cicatriza e isso nunca se apaga.

Por Márcio Poeta

3 de dez de 2008

Anotações do diário de um casal no mesmo dia‏


O Diário DELA:
No sábado à noite ele estava estranho. Combinamos de nos encontrar no bar para tomar um drink. Passei a tarde toda nas compras com as minhas amigas e pensei que pudesse ser por minha culpa, porque me atrasei um pouquinho. Mas ele não fez grandes comentários. A conversa não estava muito animada, de maneira que pensei em irmos a um lugar mais íntimo para podermos conversar melhor, em particular.
Sugeri um restaurante e ele continuou agindo de modo estranho. Tentei animá-lo e comecei a pensar se seria por minha causa ou outra coisa qualquer. Perguntei, e ele disse que não era eu. Mas não fiquei muito convencida.
No caminho para casa, no carro, disse-lhe que o amava muito e ele limitou-se a pôr o braço por cima dos meus ombros. Não sei que raios quis dizer com isso, porque não disse que me amava também, nem nada.
Eu estava ficando mesmo preocupada. Finalmente chegamos em casa e eu já
Estava pensando se ele iria me deixar! Por isso tentei fazê-lo falar, mas ele ligou a televisão, e sentou-se com um olhar distante que parecia estar me dizendo que tudo, entre nós, estivesse acabado.
Por fim, embora relutante, disse que ia me deitar. Mais ou menos 10 minutos depois ele foi se deitar também e, para minha surpresa, correspondeu aos meus avanços e fizemos amor. Mas ainda parecia muito distraído. Quis confrontá-lo e falar sobre isso, mas comecei a chorar e chorei até adormecer. Já não sei o que fazer. Tenho quase a certeza que ele tem alguém e que a minha vida é um autêntico desastre.
O Diário DELE:
- Sábado meu time perdeu. Ainda bem que dei umazinha.

Recebi esse texto por email de um amigo (Luiz Carlos)

1 de dez de 2008

O que restou de nós dois


Lembranças minhas
O teu coração aventureiro
Não registrou
O que restou de você eu sei
Porque você
É tudo que restou de nós dois
Ainda quardo
O gosto
Gostoso do seu ultimo beijo
No meu corpo
Um tanto fraco as marcas
De quando por amor saciava meus desejos
Você se ausentou
Temendo ver o pouco
Que iria restar de mim
Nada fui pra você
Ao extremo eu cheguei
Te levei sobrei pobre de mim
Rezo para que em seu
Rosto sempre habite esta alegria
O passado marca mata
As lembranças de tudo
Me fazem feliz, me fazem sofrer
Sei que nada
Fui em seu viver
Na tentativa de me encontrar
Sinto meu coração
Batendo descompassado
Pedindo para morrer.
 
Por Marcio Poeta.

Fechado para balanço


Para pensar em minha vida
Busquei uma razão forte
Que valesse a minha existência
Voltei ao passado
Me senti acabado
E então fechei meu coração pra balanço
Lancei a chave
Bem ao fundo do mar
Onde ninguém pudesse encontrar
E assim dar
Um pouco de paz ao meu coração
Senti que era
Preciso fazer isto
Para fugir desse destino
Cheio de capricho
Viver para sempre na solidão
É bem melhor
Que tentar buscar em outra
Aquela que por amor
Eu fiz do seu proprio nome, minha oração.
 
Por Márcio Poeta.

  © By Poesia - Todos os direitos reservados.

Tecnologia - Blogger | Modificado por - Márcio Ferreira