O vento

O Vento
O vento se formou e levou
Meu coração não pode segurar
E assim isso não cessou
E como o vento foi maldoso
Como ao todo pude perceber
Que tudo aquilo que sonhava
Foi se perdendo
Não tive escolha, não consegui segurar.
Mais ou menos fiquei disperso
E tanto sofri o quanto fui descobrindo
O que me causava tal insegurança
E isso foi me desgastando aos poucos
Essa bárbara realidade me confundindo
A minha descoberta era desconcertante
Imagina só, tudo que eu havia sonhado.
Vendo se dissipar ao leu
E o tanto que era tarde não conseguir reaver de volta
O que pude fazer se tudo não passou de um erro
Era terrível e sem piedade
Tentei disfarçar e esconder de mim mesmo
Mas não pude outra vez, isso estava dentro de mim.
Lembrando-me a cada dia
O meu descuido me causou o que eu temia
A perda que eu tinha que ter a quem culpar
E essa pessoa não poderia ser eu
O culpado que arrumei me revelou
Aos poucos fui sabendo que...
Aquela perda não era culpa do vento
E sim de mim próprio
Imagine outra vez o que senti
Como me senti é inexplicável
É o sentimento que somente eu sei
Para nunca mais cometer o mesmo erro
Distrair-me na vida quando faz parte de sentimento.
E depois de tudo isso soube
Que sempre descobrimos no final
Sempre achamos o verdadeiro culpado
Seja ele quem for, até você.
Por Márcio Ferreira
Compartilhar:

Lágrimas do despertar

lagrimas
Lágrimas fez-me acordar
E no banho que recebi
Consegui enxergar o que me feria
Essas lágrimas que banhou-me
Foram fortes o suficiente
 Para que eu percebesse
Que não vale a pena sofrer
Não pode ficar na mesma
Devemos correr atrás de outras oportunidades
O coração precisa se recuperar
O amor precisa superar
Estou falando do amor próprio
Na verdade é esse que importa
O que sobra é consequência
Da sua capacidade
Não fique assim da mesma forma sempre
Mude de disco
Troque a canção
Sugiro que não ouça a mesma música
Tem que variar, porque se não mudar
Irá ficar monótono e triste
Sempre querendo um amor que não te quer
Então, ame a si mesmo
Para depois compartilhar.
Por Márcio Ferreira
Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Seguidores

Google+ seguidores

Total de visualizações

Mario Quintana

O TRÁGICO DILEMA: Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro.

AMAR: Fechei os olhos para não te ver e a minha boca para não dizer... E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei, e da minha boca fechada nasceram sussurros e palavras mudas que te dediquei... O amor é quando a gente mora um no outro.

BILHETE: Se tu me amas, ama-me baixinho Não o grites de cima dos telhados Deixa em paz os passarinhos Deixa em paz a mim! Se me queres, enfim, tem de ser bem devagarinho, Amada, que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Por Mario Quintana

Veja outros autores em: Pensador.Info

VEM DO CORAÇÃO

Há um sentimento para contemplar, como encontrar palavras que expressa o sentimento continuo e duradouro, somente os gestos, olhares, carinhos e até mesmo o silêncio poderá explicar o que sinto, para quem corresponde será um bom entendedor.

Márcio Ferreira

Tecnologia do Blogger.

email newsletter

Link-me


Divulgue o By Poesia