Twitter

22 de out de 2008

Chico Buarque & Milton nascimento - O Que Será (A flor da pele)

Ilustração

Faz-me lembrar dos meus tempos de criança, eu ficava na chácara do meu tio que ele era caseiro, meu tio colocava essa musica e tinha uns altos falantes pelo quintal da chácara e aquilo fazia lembrar um som de parque de diversão daqueles de bairro dava uma alegria estar lá, com piscina e tinha uma lagoa imensa nos fundos do sitio eu e meus primos nos divertiam muito entrando em terrenos vizinhos nos pomares de laranja, minha tia fazia suco e a gente ficava pescando na lagoa pegando lambari de monte, oh meu Deus que tempo foi aquele viu que lembrança boa que tenho isso até me alivia ao pensar coisas boas assim essas lembranças de tempos que nunca mais vão voltar, essa música me traz essa paz de espírito e estou aqui compartilhando, pra quem conhece essa musica deve ter algo de bom que ela faz lembrar então está ai a musica maravilhosa é só dar o play e curtir como eu fiz...

O Que Será (A flor da Terra)
Interprete:
 Chico Buarque & Milton Nascimento
Composição: Chico Buarque & Milton Nascimento

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta os olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida nem nunca terá
O que não tem remédio nem nunca terá
O que não tem receita...

O que será que será,
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso nem nunca terá
O que não tem cansaço nem nunca terá,
O que não tem limite...

O que será que me dá,
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha nem nunca terá
O que não tem governo nem nunca terá,
O que não tem juízo...(2x)

Fonte da Letra: Letras de músicas Terra

Related Posts with Thumbnails

  © By Poesia - Todos os direitos reservados.

Tecnologia - Blogger | Modificado por - Márcio Ferreira